quinta-feira, 14 de julho de 2011

Clarice... é pop?

Não é difícil reparar que, há muito, Clarice Lispector se tornou celebridade nas redes sociais. Volta e meia, olhando um ou outro perfil em facebooks, orkuts e twitters da vida, me deparo com alguém que utiliza trechos de ‘textos’ da escritora brasileira em seus perfis.

Digo ‘textos’, dessa forma, entre aspas, porque muitas vezes a pessoa nem se dá ao trabalho de saber se quem escreveu aquilo foi realmente Lispector. Além disso, metade das pessoas que se descrevem com frases de Clarice nunca abriu um livro dela pra ler. Nem sequer conhece a Macabéa, que tanto nos perseguiu nos pré-vestibulares da vida. Muito menos sabe a história da menina que roubou ‘As Reinações de Narizinho’ da amiguinha rica e o devorou como se fosse uma esfinge.

Onde estou querendo chegar com isso? Ora, não estou achando ruim ver Clarice sendo citada na internet. O que me desagrada é saber que a popularidade repentina não significa novos leitores e sim uma irritante modinha – “ah, eu quero pagar de cult, vou colocar um trechinho de Clarice Lispector ali e pronto”. E não acontece só com ela. Luiz Fernando Veríssimo, por exemplo, também é um dos campeões de textos encaminhados via e-mail, facebook, etc e tal. Ocorre, tal qual na situação de Lispector, que muitos textos não são dele – vide o conhecido Dúvidas Pascoais, com a qual somos brindados toda semana santa em nossas caixas de mensagens. Esse texto, embora levemente parecido com a escrita do gaúcho, não é dele, e sim de um professor mineiro chamado Antônio Rocha Neto, provavelmente fã do cronista.

A essa altura você já deve estar pensando: “mas você é chata, hein”. Ora, meu caro; eu não sou legal, sou professora de português e literatura – consequentemente, chata. E como chata que sou, ainda tenho a esperança de ver nossas feras da literatura nacional sendo verdadeiramente exaltadas, e não transformadas numa simples modinha. Sei que é difícil, especialmente nessa época em que tudo é instantâneo. Se lá atrás, na minha vida de vestibulanda, eu já ouvia as reclamações dos colegas por ter de ler Machado, Veríssimo (o Érico), Cecília Meirelles e muitos outros, imagine agora, em tempos de 140 caracteres? Não é fácil formar leitores. Que fique claro, aliás, que eu não sou dessas que só curte os nossos medalhões – eu leio de tudo: de O Mágico de Oz a Senhor dos Anéis, passando por Artemis Fowl, Percy Jackson e Harry Potter. Ler é tudo de bom, e é exatamente por isso que eu gostaria que os pseudo-fãs conhecessem a obra de Clarice – voltando à nossa personagem principal. Tem muita coisa boa ali: romances e contos dos bons, crônicas de primeira e entrevistas ainda melhores. Ah, pequeno detalhe: Clarice nunca foi poetisa – logo, esses poemas espalhados nos perfis não são dela. Nada que uma boa pesquisa não corrija.

Tenho certeza de que você, leitor, já encontrou algum da nossa popstar por aí. E se você, assim como eu, também se incomoda com tal situação, faça-me um favor: divulgue a verdadeira Clarice. Não só ela, mas também Adélia Prado, Drummond, Pedro Bandeira, Rubem Braga, toda essa turma das letras que está espalhada por aí - só esperando a chance de aparecer. Só assim poderemos afirmar: nem só de papa vive o pop.

6 comentários:

Kelly Elizeu disse...

falou tudo que estava entalado aqui na minha garganta!
excelente, Ale!

Luiz Carlos Cardoso disse...

Walter Benjamin, um teórico queridinho do meio acadêmico, já disse que a obra de arte, quando reproduzida aos montes, perde seu encanto, sua beleza, aquilo que ele chama de "aura". Nos tempos atuais, onde 140 caracteres, posts e avatares resumem a vida de uma pessoa, o efeito "Clarice" é normal e banal. Divulga-se o nome como uma boa propaganda da escritora (forma), mas sua pessoa, sua fala (conteúdo) é corrompido.

Alê, seu texto está ótimo! Que bom vê-la de volta à escrita. Grande beijo!

Aline Risperi disse...

EXCELENTE!!!!!

Nayara Tognere disse...

Seus textos são ótimos,Ale! Você precisa escrever sempre!
Mas, faltou uma coisinha: Caio F., outro "popstar" da internet que, inclusive, foi muito influenciado por Clarice e é tão ou mais citado do que ela em 140 caracteres por gente que nunca leu um livro dele, que também foi um grande escritor.

Ale disse...

Boa lembrança, Nayara... tinha esquecido de mencionar o Caio Fernando Abreu! Outro campeão de audiência no twitter. tsc rsrs

Fabricio Carlos disse...

aparição relâmpago, mas com um texto bem perspicaz...

essa moda de frases de autores célebres me irrita, mas não me incomoda: simplesmente eu passo direto por elas (acredito que faço minha parte em não propaga-las), rs

mas ainda tenho esperanças...