terça-feira, 2 de setembro de 2008

Desapego

A gente tem umas manias estranhas. Acho que a mais estranha delas é essa de se apegar às coisas, ou às pessoas. Eu, por exemplo, tenho um mini travesseiro que me acompanha, veja só, desde o meu nascimento. Não consigo dormir sem aquele pedaço de espuma velho. Eu até tento me livrar dele, mas não consigo. Já se transformou em parte da minha vida.

Com as pessoas não é diferente. Todo mundo tem uma certa fissura por alguém; não adianta falar que com você não é assim. Pára um pouquinho e pensa: em algum momento da sua vida isso lhe ocorreu. Quer ver um exemplo? Os pais. Quando os filhos(as) arrumam namorados(as), e a coisa começa a ficar séria, os pais entram em desespero. É um tal de “ela não serve para você, meu filho”, ou então “esse moleque não presta, minha filha”; e quando a família tem posses: “só tá interessado(a) no nosso dinheiro”. Isso tudo é porque eles simplesmente não suportam a idéia de perder seus queridinhos para outra pessoa. E não só eles são assim. Quando surgem novas amizades na vida de alguém, aquele amigo que foi “trocado” também fica mal. Começa a ficar ciumento. Quer o amigo só para ele. Não sai de casa, entra em depressão. Até que ele, também, consegue outras amizades, e a coisa se inverte.

É por essas e outras que eu, a partir de agora, farei (e sugiro a todos) a técnica do desapego: vou tratar de não me ligar em nada, ou melhor, vou me ligar em várias coisas ao mesmo tempo. Vou arrumar mais de um hobby, dessa forma não me vicio em um só; amigos, então, vou colecionar aos montes. Vários namorados? Essa, realmente, me parece uma excelente idéia! Ah, já estava me esquecendo: bichinhos de estimação. Além do cachorro, vou arrumar papagaio, tartaruga, peixe... tudo para que quando um falte eu tenha outro logo ali, por perto.

Alguém pode dizer, então, que a melhor técnica de desapego é simplesmente não ter nada, nem ninguém. Mas aí perde a graça – a pessoa se transforma em rabugenta. E ninguém quer ser amigo do Sr. Scrooge (aquele que foi visitado pelo fantasma do natal passado, lembra?). Então, o lance é ter tudo-ao-mesmo-tempo-agora. Assim, corre-se bem menos risco de sofrer com a perda. Aconselho o mesmo a você que também passa por essas situações. E viva o desapego!


(P.S.: Esse texto revoltado nasceu após uma noite mal-dormida, por conta de não ter encontrado meu querido travesseirinho... ele me paga, assim que eu achá-lo!)

12 comentários:

Fabricio Carlos disse...

uai, meio que pratico a técnica do desapego a mais tempo que tu...
é um caminho estranho... sem dúvida alguma. Afinal o maior medo de quando se quer ter "tudo-ao-mesmo-tempo-agora" e chagar em ao final com o resultado oposto no bolso...
Mas o que é a vida sem um pouco de risco afinal?...
bjs...

Niela Bittencourt disse...

oie
amei aqui

voltarei
beijos

Luiz Carlos Cardoso disse...

Essa semana fui provado, passei pela infernal experiência de ficar sem computador e internet. É uma tecnologia e uma necessidade que me faz falta... principalmente em tempos de faculdade e dinheiro curto, rs...

Beijos, não deixe de escrever e acompanhe meu blog !

Fabricio Carlos disse...

pois é não levar a vida a serio tá sendo meu sonho de consumo...
bjs

the drama queen disse...

viu e vcs ficam rindo de mim pq eu carrego o pingüim pra todo lado! hunf
vou dormir cm ele pra sempre! =P
e eu gostei desse texto pq não tem aqueles nhenehneh que eu te falei rs

Paixão, M. disse...

Desapego?

Definitivamente não é meu forte. Mas também acho que a tal técnica não funciona, Lele, que a graça da vida é correr riscos, ser muito feliz e sofrer o diabo, rs.

Vivas aos trapinhos antigos, aos bilhetes guardados, aos livros com dedicatória :)

beijos!

Renata Mofatti disse...

É tão difícil viver sem esse desapego, ainda mais num mundo tão carente como esse nosso!!! Estressa não, o travesseirinho há de aparecer! rsrs

garota do copo d´água disse...

achou o travesseiro?
fiz outro bloguinho =)

Marcelo Grillo disse...

Lê, talvez a técnica para não se apegar tanto seja ter muitas coisas ou pessoas a quem se apegar. No caso de namorados, que tal se apaixonar por um diferente a cada semana? rsrsrs

Fabricio Carlos disse...

apesa de vc ter "sumido" daqui, quando voltar dê uma olhada nisso aqui:

http://variacaodomesmotema.blogspot.com/2008/10/meme-ainda-tentando-descobrir-o-que.html

Maria Eugênia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Eugênia disse...

Lê, vc não me falou nada mas eu achei...hehe
Desapego???
Nem falo nada... eu já cheguei ao extremo para ver se sou capaz de tal abnegação...ilusão pura. Sou apegada e admito...rs
Foda o seu blog nega, tadinho do meu recém nascido.